New Music International Festival. De 04 a 09 de dezembro de 2012. Oi Futuro Ipanema, RJ, Brasil
Novas Frequências

Batman Zavareze

batman

por Batman Zavareze
Multiplicidade
www.multiplicidade.com

Artwork: Filipe Raposo

Ouça a Mixtape de Batman Zavareze clicando neste link!

A proposta do Festival Multiplicidade vem ao encontro de um desejo pessoal artístico: propor uma plataforma cultural contemporânea com regularidade, para formar público e fomentar a produção de conteúdo digital. Nestes oito anos de existência, não imaginava o trabalho que isso geraria. Obviamente, para fazer com excelência, única condição que topei fazer. Por isso é muito difícil na cultura dos cariocas (brasileiros) nos conscientizarmos de que deveríamos ter uma formação mais profunda, até porque não existe muitas referências continuadas de qualidade. Nem vamos entrar no viés da experimentação. Aí nem se fala. Por isso toda a área cultural no Brasil (no teatro, no cinema, nos eventos em geral) tem uma grande parcela majoritária de autodidatas. As pessoas não investem em si mesmas profissionalmente e o público não investe em busca do desconhecido por falta de curiosidade ou preguiça mental. Tudo é tão duro, difícil, que o cidadão não quer fazer nada. Até porque não existem muitas válvulas de escape no Brasil, principalmente quando é necessário sair do lugar comum. E por isso é gritante, pois quem viajou e estudou no estrangeiro tem um destaque na cena profissional, o que convenhamos, pode ser uma convenção rasa. Isso não é regra, mas é recorrente e mostra a nossa limitação de diálogo em algumas áreas, principalmente quando se falam em novas linguagens contemporâneas.

O Festival Multiplicidade não para nunca, esta é minha intenção, gerar cadeia de pensamento, trocar com os gestores culturais, conscientizar a nova geração para novas portas, participar de intercâmbios, entrar na academia, no entretenimento e ir muito além, mais ou menos como a zona digital que está sempre se retro-alimentando. Quero fazer e oferecer um universo inusitado para nós fazedores culturais. Ninguém é menos ou mais nesta equação complicadérrima e isso eu só tenho clareza depois de todas as armadilhas, sucessos e decepções dos 8 anos de vida dos meus 20 anos de carreira.

É preciso ter continuidade e formação de todos os alicerces que geram a cultura. Não podemos abrir mão de formação profissional e artística; de um calendário cultural nacional e, para concluir, de incentivar a pesquisa (talvez esse último esteja intrinsecamente ligado aos dois outros).

Já conquistamos um espaço importante, mas ainda há muito o que percorrer, principalmente no aspecto de formação de público e convergências científicas.

Pouca prática gera fórmulas viciosas e limitações artísticas. Ou eventos efêmeros. As possibilidades experimentais da arte e tecnologia são infinitas. A vocação cultural de nosso país é tão rica que certamente poderia gerar uma pioneira e grande transformação social, isso é de um valor de transformação incomensurável.

 
Comments