New Music International Festival. De 04 a 09 de dezembro de 2012. Oi Futuro Ipanema, RJ, Brasil
Novas Frequências

Entrevista Tathi Lopes, dir. produção Novas Frequências

Tathiana Lopes é uma das metades que comanda o Novas Frequências. Produtora, com grande experiência em teatro, shows e cinema, desde 2011 ela se juntou com Chico Dub para conceber e realizar o Novas Frequências. Ao longo de mais de 15 anos, ela vem colecionando uma bagagem de histórias e experiências que hoje estão a serviço do festival. Nessa entrevista, a sócia da produtora Cardápio de Ideias conta um pouco de como funcionam os bastidores do NF.

NF: Você e o Chico Dub são parceiros na realização do Novas Frequencias e estão indo para o segundo ano. Como vc vê o crescimento do festival pra 2012?
Tathiana Lopes: A expectativa de crescimento é grande, muito pelo retorno do público e dos próprios artistas que estão participando do Festival, que tem sido incrível, além da resposta da imprensa que também tem sido bem interessante e importante pra gente. Para as duas primeiras edições a gente preferiu manter o formato pensado inicialmente, até para sentir o retorno do público e como o festival seria recebido, mas já trouxemos novidades para esse ano, como o live streaming com a 14 e a parceria com o Queremos para edição especial em São Paulo, para a terceira edição vem mais novidades por aí!

NF: Você já trabalha há anos com produção de shows e eventos. Que particularidade os artistas do Novas Frequências têm em relação a outros?
TL: São artistas muito especiais, com trabalhos muito interessantes, novos, de vanguarda. Mesmo os artistas que já estão por aí a mais tempo, e são referência, continuam experimentando e desenvolvendo o tempo todo coisas novas. Acho que essa é uma das particularidades, essa experimentação tanto deles, como nossa trazendo um festival nesse formato, do público curioso por conhecer mais, e o ineditismo deles no Brasil, que faz com que eles cheguem aqui mais abertos, curiosos, e como uma expectativa super interessante. Isso torna a relação entre a gente mais fácil, eles ouvem e topam nossas sugestões, e essa é uma troca importante.

NF: Quase todos os artistas são internacionais. Durante a produção eles têm muitas dúvidas ou questionamentos sobre a produção e as condições para o show deles no Brasil?
TL: Sim, a maioria deles. Apesar de achar que isso vem mudando, ainda existe uma visão de Brasil lá fora que gera insegurança para quem vem não só a turismo, mas principalmente para quem vem fazer um trabalho aqui. As dúvidas são muitas, quanto a estrutura que oferecemos tanto de espaço como de equipamentos, e todos eles, sem exceção, se surpreenderam, pois a estrutura do Oi Futuro é excelente, então o feedback deles é sempre muito bom. Há ainda as dúvidas quanto à segurança no Rio, mas quando eles chegam aqui ficam encantados e a gente cuida bem deles, rsrs… Todos ficam hospedados em Ipanema, geralmente montamos uma sugestão de programações e lugares para eles conhecerem, e nossa produção acompanha e dá toda assistência enquanto eles estão aqui.

NF: E o feedback deles após as apresentações têm sido positivo? O que eles mais comentam?
TL: Muito positivo, como falei antes, comentam sobre a estrutura, acham interessante o conceito e o formato do festival, recebem super bem o público e saem daqui com vontade de voltar para ficar mais tempo no Rio.

NF: Até agora, qual foi o seu show preferido no NF? Vale esse ano ou ano passado.
TL: É difícil escolher um, são todos bem diferentes, mas eu adorei Murcof, que tocou ano passado e as meninas do Prince Rama esse ano já tiveram uma interação com o público muito bacana. Elas levantaram o teatro, foi bem divertido!

 
Comments